Warning: session_start(): Cannot send session cookie - headers already sent by (output started at /home/dominioc/public_html/index.php:12) in /home/dominioc/public_html/libraries/joomla/session/session.php on line 658

Warning: session_start(): Cannot send session cache limiter - headers already sent (output started at /home/dominioc/public_html/index.php:12) in /home/dominioc/public_html/libraries/joomla/session/session.php on line 658
Blog - Domínio Contabilidade http://dominiocontabilidadedf.com.br Tue, 20 Nov 2018 14:09:24 +0000 Joomla! - Open Source Content Management pt-br Imposto de Renda 2018 - Tudo que você precisa saber para não cair na malha fina http://dominiocontabilidadedf.com.br/blog1/item/20-imposto-de-renda-2018.html http://dominiocontabilidadedf.com.br/blog1/item/20-imposto-de-renda-2018.html Imposto de Renda 2018 - Tudo que você precisa saber para não cair na malha fina

 

Como vai funcionar o imposto de renda em 2018?

A partir do dia 1º de março, os contribuintes brasileiros deverão entregar a declaração do imposto de renda (IR) 2018. Por isso, é importante que você fique atento, se prepare com antecedência, conte com um contador da sua confiança para auxiliá-lo durante a declaração e tire todas as suas dúvidas.

Por isso, para ajudá-lo a entender melhor como vai funcionar a declaração do imposto de renda 2018, preparamos esse post. Por aqui você vai saber quem é obrigado a declarar o IR, quais os documentos exigidos e como revisar a declaração para que você evite erros. Afinal, ninguém quer parar na “malha fina”, não é verdade?

Portanto, você que tem uma pequena e média empresa, que é microempreendedor individual (MEI) ou simplesmente é pessoa física precisa ficar atento ao nosso post. Quer saber os motivos? Continue a leitura!

 

Quem é obrigado a declarar o imposto de renda?

 

Microempreendedor Individual (MEI)

 

O contribuinte só é obrigado a declarar o imposto de renda 2018 se seus rendimentos tributáveis atingirem ou ultrapassarem a R$ 28.559,70. Portanto, se no ano de 2017, a soma dos seus rendimentos tributáveis ultrapassou esse valor, você MEI deverá declarar o imposto de renda.

Portanto, quem tiver um teto de R$ 40 mil de recebimentos isentos, ou seja, se você MEI receber de seu CNPJ mais do que este valor, ficará obrigado a entregar sua declaração de pessoa física.

Você também não deve confundir a Declaração Anual do Simples Nacional (DASN) própria do MEI com a declaração do imposto de renda, pois uma declaração não tem nada a ver com a outra.

 

Pequeno e médio empresário

 

Além do valor dos rendimentos que citamos acima, se você recebeu rendimentos isentos, não tributáveis ou tributáveis exclusivamente na fonte, cuja soma foi superior a R$ 40 mil também deve declarar o imposto de renda.

A mesma regra vale para quem ganhou em qualquer mês capital na alienação de bens ou direitos, sujeito à incidência do imposto e realizou as operações em bolsas de valores, de futuros, assemelhadas ou de mercadorias.

 

Pessoas Físicas

 

Já as pessoas físicas deverão entregar à Receita a declaração dos seus rendimentos e bens, pagando o imposto devido ou apurando a restituição, se houver.

Vale lembrar que as pessoas físicas domiciliadas ou residentes no Brasil, titulares de disponibilidade econômica ou jurídica de renda ou proventos de qualquer natureza, inclusive de rendimentos e ganhos de capital, são contribuintes do imposto de renda, sem distinção de nacionalidade, sexo, idade, estado civil e profissão.

Também são contribuintes as pessoas físicas que perceberem rendimentos de bens de que tenham a posse como se lhes pertencessem, de acordo com a legislação em vigor.

Quais os documentos exigidos para a declaração?

1. Informe seus documentos pessoais

  • Documento de identificação (CPF);

  • Endereço atualizado. Se houve ou não mudança de endereço anterior você deverá informar;

  • No caso dos autônomos, número de cadastro do INSS (PIS ou NIT);

  • Dados da conta bancária para recebimento da restituição do imposto se for o caso;

  • Número do título de eleitor (opcional).

2. Informe seus rendimentos

Para você comprovar as informações a serem transmitidas na declaração do imposto de renda e também para guiar o preenchimento corretamente, você terá que a apresentar o informe de rendimentos emitido pela empresa onde é registrado.

No caso das pessoas contratadas, o informe apresenta dados dos salários, 13º salário e férias, e os descontos do imposto retido e contribuição previdenciária.

No informe do empresário, que faz retirada de pró-labore, o documento apenas demonstra o total acumulado nos meses do ano anterior e os descontos de INSS e IR. Também, neste caso, o declarante não pode esquecer de informar suas retiradas de lucro para preenchimento.

3. Informe o extrato de investimentos e os rendimentos de aplicações

Quem aplica em algum produto financeiro de renda fixa ou variável também deverá informar à Receita os seguintes dados:

  • Possível imposto retido;

  • Possíveis perdas;

  • Valores aplicados;

  • Lucro;

  • Dividendos recebidos;

  • Produtos escolhidos do mercado financeiro.

Todas essas informações e ainda outras sobre opções de investimentos constam em informe ou extrato emitido pela corretora ou instituição financeira. Logo, é preciso o documento para que você não declare os investimentos com faltas ou erros.

4. Informe os rendimentos e extrato de previdência privada

Se o declarante contribui para a previdência privada com o objetivo de complementar sua renda após a aposentadoria, ele deve guardar o documento recebido pela instituição e informar as contribuições, os possíveis ganhos e os impostos.

5. Informe o número do CPF dos dependentes

Essa é uma das últimas mudanças nas regras da declaração. Você também deverá incluir o número do CPF dos dependentes. Dessa maneira, eles entrarão na declaração como titulares.

6. Informe os recibos de aluguéis pagos e recebidos

O contribuinte que paga ou recebe aluguéis deverá declarar à Receita. Por isso, esses recibos deverão estar entre seus documentos.

 7. Informe as despesas médicas

Se o declarante gastou com despesas médicas entre as restituições, ele deverá incluir na documentação as notas e as faturas que comprovam essas despesas. Se o beneficiário dos serviços médicos não for o titular da declaração, como um cônjuge ou dependente, o titular deverá organizar os dados de quem foi atendido ou tratado para declarar os custos.

8. Informe os documentos de imóveis e veículos

No local onde está para preencher os dados sobre o patrimônio, o declarante deverá informar o documento de registro de cada bem que possui. Para um imóvel, por exemplo, é necessária a escritura. Já se o bem for um veículo, vale apresentar o Certificado de Registro e Licenciamento Veicular (CRLV).

9. Informe os comprovantes das despesas com a educação

Se você gasta com a educação dos seus filhos ou com sua própria formação acadêmica deverá separar todos os comprovantes de mensalidades e matrículas. Esses valores poderão ser utilizados para a dedução de imposto a pagar.

10. Informe o CPF e o CNPJ de pagamentos

Quem é autônomo precisa identificar as fontes como CPF e CNPJ dos pagadores. Isso também vale para quem efetua pagamentos a profissionais liberais. Você precisa identificá-los com CPF.

11. Informe os financiamentos, extrato de consórcio e outras dívidas

Para ficar em dia com a Receita, você deve acrescentar os financiamentos que fez, o extrato de consórcio e as outras dívidas. A contratação de uma dívida com a instituição financeira ou até mesmo o empréstimo formalizado com pessoa física, exige o preenchimento de detalhes da operação, o valor total e quantias pagas e devida de acordo com o documento de formalização da dívida.

12. Informe o recibo de doação

Se você fez ou recebeu  uma doação precisa informar à Receita Federal  pelas duas partes, de acordo com o recibo ou outro documento, emitido na efetivação da doação.

13. Informe os rendimentos da Previdência Social

Para quem é aposentado ou pensionista é necessário emitir o extrato dos benefícios recebidos. É possível fazer isso pelo site da Previdência. Lá constam todos os valores recebidos no ano anterior e os descontos de INSS sobre eles.

14. Informe de rendimentos financeiros

Você que é declarante precisa solicitar ao banco um extrato de sua conta bancária. No extrato constará o saldo da conta no dia 31 de dezembro do último ano. Se você tem mais de uma conta, deverá pedir os extratos dos outros bancos.

 

Como revisar a declaração do IR para evitar erros?

 

Após preencher todos os campos necessários da declaração, o programa de transmissão do imposto de renda compila os dados do declarante na ficha “Resumo da declaração”. Dentro dela, você ou seu contador poderão fazer a revisão que é organizada como explicaremos a seguir:

  • Rendimentos tributáveis e deduções: exibe os preenchimentos de descontos do INSS e de pró-labore;

  • Cálculo do imposto: mostra as retenções de imposto de renda sobre os pró-labores do ano anterior, o líquido a pagar levando em conta a apuração, as retenções apresentadas e as deduções e o total devido pelos dados apresentados na declaração em geral;

  • Outras informações: apresenta os dados de capital social possuído e os demais pagamentos e recebimentos.

Agora que você já sabe como vai funcionar o imposto de renda 2018 ficará mais fácil para se preparar e fazer sua declaração, não é verdade? Para sua maior segurança, contrate um contador e fique em dia com a Receita Federal.

Gostou do nosso conteúdo? Tem mais alguma dúvida? Deixe um comentário em nosso post!

 

]]>
contato@contabilidadedominio.com.br (Marlus Pereira) Contabilidade Mon, 26 Feb 2018 00:00:00 +0000
Tudo que Você precisa saber sobre o Imposto de Renda 2017 http://dominiocontabilidadedf.com.br/blog1/item/19-imposto-de-renda-2017.html http://dominiocontabilidadedf.com.br/blog1/item/19-imposto-de-renda-2017.html Tudo que Você precisa saber sobre o Imposto de Renda 2017

Tudo que você precisa saber sobre a Declaração de Imposto de Renda 2017.
  

A Receita Federal divulgou a data de inicio de entrega da Declaração de Imposto de Renda 2017, esse ano a declaração se inicia no dia 02 de Março e termina no dia 28 de Abril.

 

Dependendo do valor dos rendimentos recebidos em 2016 e os tipos de transações financeiras que realizou, você pode estar obrigado a declarar o imposto de renda 2017, quem não declarar recebe uma multa de R$ 165,74 se entregar fora do prazo.

 

A final quem estará obrigado a declarar o imposto de renda 2017? Neste ano vão estar obrigado a preencher a declaração quem em 2016 se enquadrou em pelo menos uma das condições a baixo:

 

Critérios

Condições

Rendimentos tributáveis

Recebeu rendimentos tributáveis (como salários e aluguéis) cuja soma anual foi superior a 28.559,70 reais;

Rendimentos isentos

Recebeu rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte (como indenizações trabalhistas, caderneta de poupança ou doações) em valor superior a 40 mil reais;

Ganhos de capital (lucro)

Obteve, em qualquer mês, lucro na venda de bens ou direitos sujeitos à incidência de imposto de renda, como imóveis vendidos com lucro;

Venda de imóvel com isenção de imposto sobre ganho de capital

Optou pela isenção do IR incidente sobre o ganho de capital recebido na venda de imóveis residenciais cujo valor resultante da venda tenha sido aplicado na aquisição de imóveis residenciais localizados no país no prazo de 180 dias, contados a partir da data de celebração do contrato de venda ? por mais que haja a isenção, esse tipo de transação deve ser declarado.

Bolsa

Realizou operações em bolsas de valores, de mercadorias, de futuros e assemelhadas (por exemplo, comprou ou vendeu ações na bolsa);

Atividade rural

Obteve receita bruta em valor superior a 142.798,50 reais com atividade rural; ou quem pretende compensar, no ano-calendário de 2016 ou posteriores, prejuízos com atividade rural em anos anteriores ou no próprio ano-calendário de 2016.

Bens e direitos

Tinha, em 31 de dezembro de 2016, a posse ou a propriedade de bens ou direitos, inclusive terra nua, de valor total superior a 300 mil reais (por exemplo, um imóvel de 500 mil reais, ou ações no valor de 400 mil reais);

Fonte: Diário Oficial da União

 

 

Esse ano a receita federal trouxe duas grandes novidades.

 

Esse ano a Receita Federal fez novas exigências como: A partir de agora, o FISCO vai pedir e-mail e telefone do contribuinte, porém não será obrigatório a informação.

 

Outra grande novidade é que a Receita passou a exigir para os contribuintes que têm dependentes com 12 anos ou mais. Quem desejar incluí-los na declaração vai precisar registrá-los no Cadastro de Pessoas Físicas (CPF). Até então, a obrigatoriedade valia somente para dependentes com 14 anos ou mais.

 

Tipos de declaração

 

São dois tipos de declarações do seu imposto de renda: de forma completa e outra do modelo simplificado.

 

Para quem optar por fazer a declaração pelo modelo simplificado, todos rendimentos que são tributáveis serão somados e sobre o valor somado, será concedido um desconto de 20% sobre a base de cálculo do imposto, limitado a R$ 16.754,34. Qualquer contribuinte pode optar pelo modelo simplificado porém, ela é mais indicados para aqueles contribuintes que possuem poucas despesas médicas a deduzir.

Já o modelo completo destaca-se despesas que poderão ser deduzidas como plano de saúde, pagamentos escolares e gastos com dependentes. Para quem optar pelo modelo completo deverá informar cada gasto individualmente.

 

A receita Federal vai liberar a restituição de imposto de renda em sete lotes, que serão pagos entre junho e dezembro deste ano, confira o calendário:

 

Lote

Dia da restituição

16 de junho

17 de julho

15 de agosto

15 de setembro

16 de outubro

16 de novembro

15 de dezembro

 

Para quem vai fazer a declaração de imposto de renda completa não deixe de CLICAR AQUI e saiba tudo sobre deduções de dependentes, despesas médicas, despesas com instruções e previdência, ou copie e cole no seu navegador o link: http://dominiocontabilidadedf.com.br/declaracao-irrf-2017-completa.pdf

 

 

]]>
contato@contabilidadedominio.com.br (Marlus Pereira) Contabilidade Wed, 01 Mar 2017 00:00:00 +0000
Como Encontrar Satisfação em Seu Trabalho? http://dominiocontabilidadedf.com.br/blog1/item/18-como-encontrar-satisfacao-em-seu-trabalho.html http://dominiocontabilidadedf.com.br/blog1/item/18-como-encontrar-satisfacao-em-seu-trabalho.html Como Encontrar Satisfação em Seu Trabalho?

Como Encontrar Satisfação em Seu Trabalho?
  

Você que é chefe ou empregado, gerente, médico, enfermeiro, advogado, estudante ou até mesmo dona de casa, você tem que encontrar satisfação no seu trabalho enquanto você estiver nele. Você pode e você deve encontrar a satisfação no seu trabalho, a satisfação é uma atitude mental, sua atitude mental é a única coisa que você tem total controle. Você pode descobrir encontrar a satisfação no seu trabalho e descobrir como faze-lo.

 

Você consegue encontrar melhor a satisfação do seu trabalho quando você faz algo que “vem do natural”, ou seja, aquilo que você tenha gosto ou aptidão natural. Quando esta em um emprego que não vem ao natural você pode ter frustações, conflitos emocionais e mentais. Porém você pode perfeitamente neutralizar e superar esses conflitos e frustações.

 

Conheço vários profissionais que amam seu trabalho porque conhecem bem e são muitos profissionais no que fazem. Assim faziam o que “vinha ao natural”. Contudo mesmos pra eles existem aqueles dias que em que as coisas poderiam ser melhores.

 

Para enfrentar esses dias perturbadores, pense e planeje a correção dos dias mais difíceis e mantenha uma atitude positiva.  Usar motivadores é um bom exemplo para ter uma atitude positiva, use inspirações do tipo:

 

  • Você pode controlar suas atitudes usando automotivadores.

 

  • Quando você define uma meta, fica apto a alcança-lo. E quanto mais for elevado sua meta maior será a sua realização.

 

  • Para ter sucesso em qualquer coisa, será necessário conhecer quais são as regras do jogo e saber como aplica-los.  Será necessário dedicar um tempo para que possa ter um pensamento construtivo, aprendizado e planejar com regularidade.

 

Acredite nessas lições, e entre em ação, estude sobre o que você faz na sua empresa e pratique, estabeleça metas, metas ousadas, metas altas! Todas as manhãs antes de sair de casa diga para si mesmo: Sinto Saudável! Sinto Feliz! Sinto Fantástico! E se sinta mesmo, sinta-se feliz, sinta-se saudável, sinta-se fantástico que os resultados virão.

Com isso você vai sentir feliz e satisfeito em seu trabalho? Pode apostar que sim! E aqui vou listar algumas razões que teu tenha certeza que sim:

 

1 – Você agora estuda bem o seu trabalho, conhece e entende bem as regras, técnicas e sabe como aplicar.

 

2 – Você definiu meta regularmente e acredita que vai cumprir. Sabe o que a mente quer conceber e acreditar ela pode alcançar.

 

3 – Manteve uma atitude positiva e contínua pelo uso dos automotivadores.

 

4 – Desfrutou a satisfação de um trabalho bem feito.

 

 

SINTO SAUDÁVEL! SINTO FELIZ! SINTO FANTÁSTICO!

 

E Vale a pena? Muitos de vocês podem estar em um trabalho há anos, você pode acordar pela manhã e concluir que não gosta de seu trabalho. Porque é muito monótono, esta farto, quanto mais você pensa no assunto mais ficava insatisfeito.

Más você agora aprendeu que pode ser feliz em qualquer trabalho caso queira. A sua tarefa é adotar a atitude certa.

Se você se sente um peixe fora d’água e que não pode ser viável mudar de cargo, você pode então fazer alguns ajustes em seu ambiente de trabalho para que coincidam com suas características, habilidades e capacidades de método que fique feliz. Essa ação mudará você mudar de atitude negativa para atitude positiva.

Você pode se “reconfigurar” caso esteja suficientemente motivado. Mas, antes de alcançar o sucesso que deseja em mudar hábitos e tendências, esteja preparado para enfrentar conflitos mentais e morais. Você pode vencer, porém desde que esteja disposto a pagar o preço. Você pode achar difícil, principalmente no inicio, mas quando tiver pago o preço necessário, os traços que você adquiriu serão predominantes.

Você estará feliz porque agora vai fazer o que vem ao natural. Para garantir o seu sucesso, é desejável que você zele uma saúde mental e física.

Então, vamos começar agora? Então memorize: SINTO FELIZ!, SINTO SAUDÁVEL!, SINTO FANTÁSTICO!

 

Funcionou comigo e tenho certeza que funcionará com você!

 

Um abraço e até a próxima

 

 

]]>
contato@contabilidadedominio.com.br (Marlus Pereira) Como Abrir uma Empresa Thu, 08 Dec 2016 00:00:00 +0000
Entenda o Porque Sua Empresa Precisa de um Fluxo de Caixa http://dominiocontabilidadedf.com.br/blog1/item/17-entenda-porque-sua-empresa-precisa-de-um-fluxo-de-caixa.html http://dominiocontabilidadedf.com.br/blog1/item/17-entenda-porque-sua-empresa-precisa-de-um-fluxo-de-caixa.html Entenda o Porque Sua Empresa Precisa de um Fluxo de Caixa

Entenda porque sua empresa precisa fazer um fluxo de caixa.
  

Um dos fatores que mais prejudicam o crescimento das micro e pequenas empresas é a falta de organização da parte financeira da empresa. Uma ferramenta administrativa que é pouca utilizada mais de fácil solução desse problema é o fluxo de caixa. O fluxo de caixa documenta todas as movimentações financeiras de uma empresa, para mais fácil entendimento pode-se dizer que é o registro de entrada e saída de dinheiro.

A principal função dessa ferramenta está na disponibilização para que os gerentes ou empresários tenham uma visão clara das finanças da empresa, o que serve para uma decisão mais assertiva. 

 

Mais qual seria a importância do fluxo de caixa nas empresas?

 

 

Depois que tem um fluxo de caixa, será possível ter relatórios que vão servir de base para a administração financeira da empresa, seja qual for o que se deseje avaliar. Através do fluxo de caixa o gerente ou empresário vai ter uma melhor compreensão onde poderá aplicar seus recursos, entender quais as atividades vão demandar mais capital, identificar onde estão as maiores saídas de dinheiro e saber quais são a suas principais fonte de receita e demais informações.

 

Além do mais com esses dados, o seu fluxo de caixa vai garantir que o administrador do negócio tenha um controle rigoroso das atividades. O acompanhamento seja diário, semanal ou mensal o fluxo de caixa vai permitir a correção de eventuais desvios em tempo adequado.

 

Cabe ao administrar saber qual a situação financeira da empresa e cada momento de sua vida. Porém, para isso terá que dispor de um fluxo de caixa sempre atualizado, que mostre de forma clara e estruturada o real cenário da organização, para que assim você tome uma melhor decisão. Com um fluxo de caixa atualizado, você percebe a importância dessa ferramenta nas finanças da sua empresa e vê o quando ela é extremamente perceptível e importante para sua empresa.

 

 

Veja um exemplo prático de fluxo de caixa:

 

 

Para facilitar um entendimento e a importância de um fluxo de caixa vamos analisar um exemplo, começando pelas entradas de receitas:

 

Receita sobre vendas de mercadoria: R$ 25.000

 

Agora, vamos exemplificar o registro das saídas (despesas/custos):

 

 

  • Despesas administrativas: R$ 3.000
  • Despesas com pessoal: R$ 7.000
  • Compra de insumos: R$ 1.000

 

 

Depois de feitos os registros, o gerente ou empresário vai entender melhor qual é a situação da sua empresa e pode extrair informações gerenciais de grande valor, tendo essas informações você terá informações claras de quanto sua empresa gerou de lucro.

 

Analisando o exemplo acima, pode perceber que a empresa teve uma situação positiva, já que os valores das receitas foram superiores que o de saída em R$ 14.000,00. Além disso o gerente ou empresário percebe que houve um caixa disponível para investimentos para melhor produção, e por outro lado pode perceber excesso nas despesas administrativas, onde pode ser reduzida.

 

Através do fluxo de caixa você pode extrair informações valiosas e cabe ao gestor estudar a melhor os dados particulares da empresa.

 

Aposte em um software para informatizar o gerenciamento de fluxo de caixa

 

A utilização do fluxo de caixa é a forma mais simples de resolver nos desafios do departamento financeiro de uma empresa. Contudo, fazer o registros, categorizar dados e produzir relatórios consistentes de determinados prazos é uma tarefa que desmotiva os usuários.

 

Para solucionar essa questão a Domínio Contabilidade disponibiliza aos clientes um software de gerenciamento totalmente GRATUITO para o gerenciamento do seu negócio para facilitar as operações financeiras da sua empresa, resultando em relatórios mais bem elaborados e com menos possibilidades de erros. E o melhor de tudo é que nosso software é totalmente integrado com a contabilidade, com isso vamos ajudar você na construção do seu fluxo de caixa.

 

 

Com isso você vai resolver as seguintes situações:

 

 

  • Controle de receitas e despesas;
  • Acompanhamento em tempo real do fluxo de caixa;
  • Conciliação bancária inteligente;
  • Acompanhamento de contas e muito mais.

 

 

Além disso nosso sistema é feito na nuvem, com isso você vai poder acessá-lo de qualquer dispositivo conectado à internet.

 

 

Como é feito o fluxo de caixa na sua empresa? Ainda tem dúvidas que a melhor saída é investir um software para facilitar seu trabalho? Conheça nosso sistema de caixa que é personalizado para cada tipo de negócio, seja micro, pequena ou grande empresa, seja ela prestadora de serviços ou comércio varejista, nosso sistema vai ajudar você a organizar suas entradas e saídas de capital.

 

 

]]>
contato@contabilidadedominio.com.br (Marlus Pereira) Gestão Financeira Tue, 11 Oct 2016 00:00:00 +0000
6 Dicas Essenciais Para Você Reduzir Seus Custos http://dominiocontabilidadedf.com.br/blog1/item/16-como-reduzir-custos-html.html http://dominiocontabilidadedf.com.br/blog1/item/16-como-reduzir-custos-html.html 6 Dicas Essenciais Para Você Reduzir Seus Custos

Você precisa reduzir custos e não sabe como? Que tal Seguir essas 6 dicas que preparei pra você
  

Cortar custos é o principal interesse de qualquer empresário, todo empresário busca constantemente alternativas e objetivo de diminuir os custos e aumentar seus lucros, a redução de custos é a principal aliada do empresário. Para te ajudar nessa tarefa preparei 6 dicas que vão ajudar você a cortar os custos na empresa. 

Se você seguir cada passo tenho certeza que você terá ótimos resultados, vamos nessa?

 

#Não deixe de fazer um planejamento dos seus gastos.

Imagine a seguinte situação, você percebe que tem uma excelente proposta para investir em marketing na sua empresa e decide que não pode perder essa oportunidade e na hora decide aceitar. Porém, para o restante do mês você vai ficar com o orçamento comprometido para compra de materiais para renovar seu estoque e você não vai conseguir produzir o suficiente para cumprir a demanda que você vai ter na sua empresa. Parece um grande problema não é verdade?

Essa situação pode virar recorrente se você não possuir um bom planejamento. Se não possuir um planejamento você pode acabar gastando com coisas que não deveria sem nem ao menos notar. Porém ao ter a ciência de quanto você tem para investir durante um determinado período de tempo, com isso será possível que você aloque o valor que será necessário para cada área sem comprometer as demais áreas.

 

#Cuidado com pequenos gastos.

Quando o assunto é cortar gastos é comum que todas as atenções se voltem para os grandes valores em dinheiro como: Fornecedor, Funcionários, Impostos, Aluguel... É importante saber que até os gastos de menor expressão, principalmente aqueles que você gasta com mais frequência, faz uma grande diferença no somatório.

Um exemplo clássico é quando a empresa deixam de disponibilizar lanches para os funcionários, com essa simples ação, você pode poupar quantias expressivas no ao decorrer do ano.

Não deixe de revisar gastos mensais que não estão ligados diretamente na sua atividade, como as contas de energia elétrica, telefone, internet, água... Nos fins das contas uma simples redução nesses custos pode significar uma valiosa quantia em seu fluxo de caixa.

 

#Evite ao máximo complicações legais

Por mais que você faça o melhor planejamento, sempre vão ter gastos que você não previu que podem deixar bem apertadas suas finanças. É sua responsabilidade tomar todos cuidados para evitar que isso ocorra. Caso não tenha outra saída e seja inevitável, é fundamental que você garanta que seja capaz de cumprir com todas obrigações legais para que sua empresa permaneça ativa, pois penalidades costumam ter um valor bastante expressivo.

 

#Sempre pense a longo prazo

Imagine uma seguinte situação, você possui uma alta produção para peças para sua empresa, porém, você percebe que sua máquina causa muito desperdício e com isso você pensa em adquirir uma nova máquina que tenha um rendimento melhor e com menos desperdício, mas esses gasto seria muito alto.

Nessa situação o ideal é fazer uma projeção de um ano ou até mesmo vários anos para poder chegar ao cálculo se vale a pena ou não adquirir essa máquina. Se você chegar à conclusão que a nova máquina será capaz de produzir mais e diminuir o desperdício que a máquina antiga fazia, esse novo gasto deverá ser encarado como investimento, pois você vai ter uma despesa a mais no presente porém vai diminuir os gastos no futuro.

 

#Tenha uma boa relação com seus fornecedores.

Uma excelente relação com seus fornecedores é uma grande aliada quando o assunto é redução de custos na empresa. Ao manter a fidelidade com o fornecedor, você pode entrar em contato com seu fornecedor e solicitar descontos com compras de maiores escalas e aumentar o número de parcelamentos por exemplo.

Porém se seu fornecedor seja irredutível quanto a desconto e prazo sempre busque outras opções de fornecedores, ter somente um fornecedor em sua lista de fornecedores pode ser um grande perigo para seu negócio.

 

#Tire sempre o melhor dos seus funcionários

Tenha em mente o seguinte: Sem seus funcionários seria muito difícil manter sua empresa em pleno funcionamento não é verdade? Mas será se eles estão dando o melhor durante o trabalho? Sempre que possível você terá que estudar se o número de funcionários realmente é necessário e também se com a quantidade de funcionários que você possui hoje está de acordo com a produção apresentada.

Além disso quando tiver em períodos de baixa no mercado, uma opção é conceder férias coletivas, o que ajuda na redução dos custos por um período de tempo.

Ter em mente uma diminuição de custos não é uma tarefa fácil, mas com pequenas ações você vai chegar a um ótimo resultado no fim de cada mês

Se você precisa de ajuda para conter seus gastos a Domínio Contabilidade assessora os clientes na sua redução de custos e concede um sistema financeiro totalmente GRÁTIS.

]]>
contato@contabilidadedominio.com.br (Marlus Pereira) Gestão Financeira Wed, 05 Oct 2016 00:00:00 +0000
Como fazer um controle simples do previsto e do realizado http://dominiocontabilidadedf.com.br/blog1/item/15-como-fazer-um-controle-simples-do-previsto-e-do-realizado.html http://dominiocontabilidadedf.com.br/blog1/item/15-como-fazer-um-controle-simples-do-previsto-e-do-realizado.html Como fazer um controle simples do previsto e do realizado

Saber sobre o controle do previsto e do realizado, o que isso influencia diretamente no seu fluxo de caixa?
  

Possuir um fluxo de caixa bem organizado permite à sua empresa  a realização de projeções e previsões, bem como um histórico bastante claro de todos os meses de registros do caixa. O primeiro, chamamos de previsto e o segundo, realizado.

 

Mas o que são esses conceitos? Por que é importante estar sempre controlando estas duas facetas do fluxo de caixa e como você pode fazer isso?

 

Essas são algumas perguntas que pretendemos responder neste capítulo para que o gerenciamento, a administração e os resultados gerados pelo fluxo de caixa na sua empresa estejam sempre exatos.

 

 

Fluxo de caixa realizado

Quando falamos em algo realizado, automaticamente este algo nos remete ao passado, a alguma coisa que já aconteceu e que não pode ser alterada. Pois bem, estas são características do fluxo de caixa realizado, que nada mais é do que um histórico de fluxo de caixa que você já gerenciou, na periodicidade determinada por você.

Por que ele é importante e como controlá-lo?

A importância do fluxo de caixa realizado está diretamente ligada à existência do próximo tópico – o fluxo de caixa previsto. Sem um histórico exato, detalhado e organizado, fica impossível realizar qualquer projeção para o futuro, por mais curto prazo que seja o período projetado.

A impossibilidade de projeções é algo que pode prejudicar muito o bem-estar da sua empresa, uma vez que, se você não pode realizar previsões futuras, fica impossível saber como lidar com uma crise, se você precisa economizar e cortar gastos ou se é hora de fazer um novo investimento. Sem um histórico do fluxo de caixa já realizados, fica impossível fazer com que a empresa cresça e ande para frente sem correr riscos enormes de fracasso e de falência.

Controlar o fluxo de caixa realizado é algo bem simples. É basicamente realizar apenas o gerenciamento básico que você e sua empresa já fazem normalmente, com o objetivo de manter um histórico, para que se façam consultas futuras. O valor dele reside na sua propriedade histórica e a possibilidade de comparação com o fluxo de caixa previsto, que é nosso próximo tópico.

 

Fluxo de caixa previsto

“Previsões” automaticamente nos remetem ao futuro, a algo incerto. Ainda que o futuro seja impossível controlar, realizar projeções e previsões para períodos futuros próximos é praticamente uma necessidade, uma vez que mudanças drásticas não costumam acontecer com frequência dentro de um período de tempo curto. O fluxo de caixa previsor é uma previsão dos seus gastos e recebimentos.

Porém, muitas vezes essa previsão pode acabar estando errada, já que a falta de pagamentos previstos acontece muito, bem como ocorrer o recebimento de alguma receita que não estava programada.

Por que o fluxo de caixa é importante e como controlá-lo?

Ele é importante para que você não fique atuando no escuro e tenha a noção mais exata possível de como estará o seu caixa ao final do mês. Essa previsão permite que você faça planos para a empresa – apenas com o cuidado de não se apegar muito às previsões, uma vez que sempre podem mudar.

Ainda assim, ela permite que você se programe e organize as suas finanças. Na elaboração deste panorama futuro do fluxo de caixa da sua empresa, você deve levar em conta o histórico dos últimos meses, bem como um histórico mais aprofundado, já que, muitas vezes, dependendo do seu negócio, você possui períodos fixos de baixa e alta temporada. Se este é o seu caso, não deixe de analisar o histórico do mês em questão nos últimos anos para que a projeção possa ter um embasamento ainda mais consistente.

Para que a realização e elaboração do fluxo de caixa previsto saia o mais perfeito possível, é importante que sejam feitas reuniões de discussão com todos os envolvidos na empresa, onde se possa discutir as possíveis previsões e medidas que devem ser tomadas de acordo com as previsões, baseadas em fluxo de caixa.

Se você gostou dessas dicas não deixe de compartilhar com seus amigos assim como você outros amigos também podem ter a mesma dúvida e se tiver mais alguma dúvida deixe seu comentário a baixo ou entre em contato comigo CLICANDO AQUI.

 

]]>
contato@contabilidadedominio.com.br (Marlus Pereira) Gestão Financeira Thu, 08 Sep 2016 00:00:00 +0000
6 dicas indispensáveis para o bom acompanhamento do fluxo de caixa da sua empresa http://dominiocontabilidadedf.com.br/blog1/item/14-fluxo-de-caixa-html.html http://dominiocontabilidadedf.com.br/blog1/item/14-fluxo-de-caixa-html.html 6 dicas indispensáveis para o bom acompanhamento do fluxo de caixa da sua empresa

Saiba como Fazer seu fluxo de caixa com 6 passos simples...
  

 

Infelizmente, entender do que se trata o fluxo de caixa, como ele funciona para ajudar a manter a sua empresa de pé e quais os benefícios que ele traz não é o suficiente para que você consiga administrá-lo com sucesso e possa colher resultados em forma de uma empresa mais estruturada, um caixa mais bem gerenciado e, por conseguinte, mais organização para a empresa.

 

Um dos maiores problemas no que diz respeito ao gerenciamento do fluxo de caixa da sua empresa é a inaptidão que muitas vezes existe na hora de realizar a parte prática. Muitas vezes a empresa não possui alguém competente para realizar o trabalho, o que acaba influenciando na qualidade de gestão dessa ferramenta.

 

E é nisso que nos baseamos para mostrar uma pequena lista de dicas indispensáveis para que o gerenciamento, a administração e a análise do seu fluxo de caixa seja o mais acurada e bem feita possível, de forma que a sua empresa sinta os resultados o quanto antes.

 

De verdade? Essas  6 dicas serão indispensáveis para um bom funcionamento do fluxo de caixa, se você seguir esses 6 passos tenho certeza que você terá sucesso no gerenciamento do seu caixa.

 

Vamos lá?

 

1.     Domine o básico sobre fluxo de caixa positivo

 

Ter conhecimentos básicos sobre a administração da sua empresa é imprescindível para que o fluxo de caixa funcione corretamente. Conceitos como capital de giro, ponto de equilíbrio e carga tributária são de conhecimento essencial para qualquer administrador empresarial.

 

É importante ter consciência destes conceitos para poder se preparar para possíveis imprevistos financeiros, como não receber o dinheiro dos seus clientes no prazo estipulado. Saber lidar com adversidades financeiras de forma tranquila e planejada é importante para enfrentar crises e problemas financeiros mais complexos que podem aparecer ao longo do caminho.

 

2.     Tenha plena consciência das suas despesas

 

Saber o mais precisamente possível o quanto você vai gastar na sua empresa durante o mês é muito importante para que você consiga otimizar a administração do seu fluxo de caixa. Saber o quanto você vai gastar serve para que você consiga estabelecer uma margem de emergência cabível, de forma que, se aparecerem imprevistos, você não é pego de surpresa.

 

Uma forma de melhorar a consciência das despesas que você tem na sua empresa é estabelecer uma cultura de gestão financeira entre os seus funcionários e colaboradores. Desta forma, é possível buscar juntos soluções e melhorias práticas para o financeiro da empresa, cortando gastos e despesas desnecessárias.

 

3.     Continuidade de planejamento

 

Para ter um bom fluxo de caixa, que funcione e demonstre resultados, é importante que você tenha um bom planejamento. Investir tempo e recursos na elaboração de um plano amplo, que envolva todas as áreas da sua empresa, é essencial para que seu negócio passe a funcionar melhor e faça com que você consiga administrar o seu fluxo de caixa da melhor forma possível. É importante que, neste planejamento, você analise os seus ônus que podem ser retirados, bem como realizar projeções para melhorar as suas finanças de uma forma geral. É importante ressaltar que este mesmo planejamento não é algo imutável. Você precisa revê-lo e revisitá-lo sempre que achar necessário, como, por exemplo, quando perceber que a empresa necessita de uma nova motivação.

 

4.     Arrisque-se com consciência

 

Por mais que riscos sejam válidos e até necessários para o crescimento saudável da sua empresa, eles devem ser planejados e ponderados, especialmente em momentos de crise, como o que passamos hoje. Mantenha sempre os pés no chão, mas sem deixar de pensar nas perspectivas para o futuro.

 

Tudo isso deve ser levado em consideração, para que seja afastado o fantasma do endividamento por parte de sua empresa. Caso seja inevitável – ou já existente – esse quadro pode ser contornado com financiamentos, desde que feitos com estratégia. 

 

5.     Invista em capacitação

 

Investir em capacitação, tanto pessoal quanto dos seus funcionários, é fundamental para que você e toda a sua equipe de funcionários saiba como lidar com os problemas da sua empresa e estejam sempre de prontidão para participar e sugerir soluções viáveis.

 

6.Tenha um sistema para gestão financeira

 

Apesar de ser válido o uso de uma planilha do Excel para realizar o fluxo de caixa, porém ela sempre será uma forma de um “quebra-galho”. A Domínio Contabilidade oferece um sistema online totalmente GRATUITO para nossos clientes esse sistema é especializado que torna o controle do fluxo de caixa muito mais fácil e dinâmico como também facilita e ajuda na hora de analisar a situação da empresa e planejar o futuro. Além disso, tudo vai ficar salvo online, de forma segura e rápida, e o melhor totalmente integrado com o escritório de Contabilidade, com isso vou te auxiliar na construção do seu fluxo de caixa e as atualizações são feitas de maneira sincronizada com a Domínio Contabilidade. Mais do que facilitar o seu dia a dia, um software de gestão ajuda você a visualizar as movimentações financeiras e fugir do prejuízo.

 

E você? O que esta esperando para tornar nosso cliente e além de ter uma contabilidade completa, também vai ter um emissor de NFe e NFCe e sistema financeiro completo totalmente GRÁTIS!

 

 

]]>
contato@contabilidadedominio.com.br (Marlus Pereira) Gestão Financeira Tue, 06 Sep 2016 00:00:00 +0000
Descubra Como Fazer um Planejamento Tributário http://dominiocontabilidadedf.com.br/blog1/item/13-planejamento-tributario-html.html http://dominiocontabilidadedf.com.br/blog1/item/13-planejamento-tributario-html.html Descubra Como Fazer um Planejamento Tributário

Descubra de um jeito simples e fácil qual regime gera maior margem de lucro para seu negócio...
  

Todo empreendedor tem que ter em mente que é tão importante quanto o desenvolvimento estratégico do seu negócio é definir qual será seu regime de tributação que sua empresa se enquadra.

É de extrema necessidade que ambos caminhem juntos um mau planejamento tributário impacta diretamente na margem de lucro da empresa. Optar pelo Simples Nacional, Lucro Presumido ou Lucro Real deve ser feito quando é criado seu negócio tanto no enquadramento na junta comercial quanto na receita federal.

Porém, a decisão, no entanto, demanda estudos prévios.  De acordo com a consultora jurídica do Sebrae-SP Sandra Fiorentini é recomendável que o empreendedor tenha suportes jurídico, fiscal e contábil.

Mas antes de chegar ao caminho mais vantajoso terá que percorrer certo caminho para chegar a qual regime é mais vantajoso. A primeira etapa é enquadrar aquilo que o negócio faz entre as atividades definidas por lei e relaciona-las no objetivo social da empresa. Depois é fazer um levantamento dos tributos que vão incidir sobre o empreendimento.  Em seguida, analisar as alíquotas de cada regime de tributação oferece e fazer as devidas simulações. (Sempre leve em consideração a folha do salário dos funcionários e receita bruta anual). Com todas essas informações agora é hora de escolher o regime de tributação que gere a melhor margem de lucro.

O empreendedor tem um risco enorme quando não dá à devida atenção a escolha do regime. Caso escolha errado seu regime, o empreendedor terá que arcar com uma carga de tributos maior, ou até mesmo inadequada a sua atividade o que pode causar graves problemas à frente.

Mas a boa noticia é que as empresas tem a chance de reavaliar continuamente sua situação tributária e optar por um novo regime a cada mês de janeiro.

Agora qual seria a forma de tributação mais adequada pra sua empresa? Veja a baixo o que é quem pode aderir e quais são as vantagens, desvantagens e alertas para empresas do Simples Nacional, SIMEI, Lucro Presumido e o Lucro Real.

 

SIMEI: 

O que é:

O SIMEI é um sistema de recolhimento que faz parte do simples e estabelece valores fixos para que o MEI pague os tributos em uma única guia mensal. A contribuição para o SIMEI engloba três tributos diferentes: INSS, ISS (Imposto sobre Serviço) e ICMS (Imposto sobre circulação de mercadorias). A incidência dos dois últimos tributos vai depender da atividade de atuação da empresa.  MEIs, que exercerem a atividade de comércio e indústria pagam uma taxa de R$ 45,00 Mensais; os de serviços R$ 49,00 Mensais; e os de comércio e serviços R$ 50,00 Mensais (R$ 44,00 de INSS e R$ 6,00 de ICMS/ISS). (Valores válidos para o ano de 2016)

Quem pode aderir:

Pode ser feita a opção pelo SIMEI quem tem faturamento de até R$ 60 mil anual, e que sua atividade de atuação esteja relacionada entre as 500 atividades que englobam o SIMEI. Caso queira saber se sua atividade pode ser tributada pelo SIMEI CLIQUE AQUI. O MEI faz adesão automática ao Simples Nacional.

Vantagens:

O optante pelo Simei é isento dos seguintes tributos federais: Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ), PIS, COFINS, IPI E CSLL. Ele tem também a dispensa da escrituração contábil, estão isentas também de apuração de impostos e emissão de notas fiscais para pessoas físicas. Suas obrigações acessórias são simplificadas.

Desvantagens:

Só podem ser MEI empreendedores com faturamento até R$ 60 mil anuais. O MEI só pode contratar um funcionário, por um salário mínimo ou pelo piso da categoria.

Fique atento:

Podem ser cobradas outras taxas estaduais ou municipais, dependendo da atividade exercida. Para ter um empregado o MEI tem por obrigação o recolhimento de 8% do FGTS e 3% de previdência social.

 

SIMPLES NACIONAL

O que é:

O Simples Nacional reúne até oito tributos em uma guia mensalmente. IRPJ, CSLL, PIS, COFINS, IPI, CPP, ICMS e ISS. Alíquotas que variam de 4% a 22,9% da receita de acordo com a atividade e nível de faturamento.

Quem pode aderir:

Empresas com faturamento de até R$ 3,6 milhões. Os exportadores tem o limite ampliado em mais de 3,6 Milhões (o valor extra precisa ser oriundo do mercado externo). Não podem aderir ao simples nacional sociedades anônimas, as cooperativas de crédito e as instituições financeiras creditícias. Tanto a adesão quanto o desenquadramento são feitos pelo portal da Receita Federal do Brasil.

Vantagens:

Dispensa das contribuições para o salário educação e para os chamados sistemas “S”, como o (Sesi, Senai, Sesc e Senac) que abocariam o equivalente a 5,8% da folha de pagamento.

Desvantagens:

A tributação incide sobre o faturamento, mesmo que o negócio de prejuízo. Os clientes de optantes do simples nacional não obtém créditos fiscal sobre o ICMS e o IPI. A restrição pode afastar clientes de médio e grande porte ou levar a micro e pequena empresa a concederem descontos para compensar a perda do cliente.

Fique atento:

Dependendo do faturamento e da folha de pagamento pode não valer a pena. Por exemplo: Um arquiteto sem empregados com receita anual de R$ 180 mil. No simples nacional a alíquota é de 16,93% com pagamento anual de R$ 30.474,00 se migrasse para o lucro presumido, a soma das alíquotas daria 16,33% (pode ser menor dependendo do ISS da sua região), ou R$ 29.394,00. Mas se contratasse um assistente a soma das alíquotas no lucro presumido subiria para 21,92%. Já no simples Nacional o funcionário não mudaria a tributação.

Lucro Presumido:

O que é:

Em função do faturamento do trimestre e da atividade da empresa, a Receita Federal presume uma margem de lucro para determinar a base de cálculos do IRPJ e da CSLL. Para prestadores de serviços, por exemplo, a alíquota é de 32% para apurar a base de calculo de ambos. Já para o comércio e indústria a alíquota é de 8% para o IRPJ e de 12% para a CSLL. Bom para negócios que tem lucro efetivo ou igual superior ao presumido pelo Fisco.

Quem pode aderir:

Empresas com faturamento de até R$ 78 Milhões, instituições financeiras estão impedidas de aderir ao lucro presumido. O empreendedor adere ao pagar a primeira parcela do IRPJ apurado no primeiro trimestre do ano ou ao abrir a empresa. Pagamento a primeira parcela do IRPJ apurado no primeiro trimestre de atividade.

Vantagens:

Mesmo que se obtenha um lucro efetivo maior, a tributação recai apenas sobre a margem pré -fixada pela receita.

Desvantagem:

Para quem tem costumes prejuízos, a carga tributária torna-se mais pesada que nos demais regimes.

Fique atento:

As empresas que optam pelo lucro presumido apuram o PIS/Pasep e a Cofins pelo regime cumulativo, no qual a alíquota total é de 3,65% sobre o faturamento e não dá direito a abatimento de créditos. Portanto nas simulações tenha sempre em mente os efeitos de todos esses tributos (IRPJ, CSLL, PIS e Cofins).

 

Lucro Real:

 

O que é:

Os impostos são calculados com base no lucro apurado no balanço anual ou nos balancetes trimestrais. (com os ajustes previstos na legislação: Adições, exclusões e compensações). Se o calculo resulta em prejuízo fiscal, não há imposto de renda a pagar. É ideal para empresas que operam com prejuízo ou margem mínimas de lucro.

Quem pode aderir:

É obrigatório para instituições financeiras, factorings( empresas que compram recebíveis) e qualquer empresa que tem um faturamento superior a R$ 78 milhões. Para outros negócios, aderir ao lucro real é opcional.

Vantagens:

O regime da a possibilidade de compensar prejuízos anteriores ou até mesmo do mesmo exercício) ou seja, de abater esse prejuízo do lucro apurado posteriormente. É o único regime que admite o credito do PIS e Cofins, embutidos nos preços de matérias primas e outros insumos, como energia  e alugueis pago a pessoas jurídicas.

Desvantagens:

Alíquota do PIS e COFINS são maiores que nos outros regimes. Além disso, a apuração do lucro e dos impostos exigem uma rigorosa exigência contábil.

Fique de olho:

Quem adotar ao Lucro Real calcula o PIS e a COFINS pelo regime não cumulativo, cuja a alíquota total é de 9,25%. Embora essa porcentagem seja maior que das empresas tributadas pelo lucro presumido, a empresa pode descontar os créditos e abater em despesas essenciais para a sua atividade. Para aderir ao regime o empresário deve apresentar declarações e controles. Os gastos que foram adicionais devem ser previstos na hora de optar por essa modalidade. 

Ainda tem dúvidas sobre qual melhor regime de tributação é para sua empresa? Deixe seu comentário a baixo ou entre em contato clicando aqui.

 

]]>
contato@contabilidadedominio.com.br (Marlus Pereira) Contabilidade Thu, 16 Jun 2016 00:00:00 +0000
Empresas para você abrir blindada da crise econômica http://dominiocontabilidadedf.com.br/blog1/item/12-empresas-para-voce-abrir-blindada-da-crise-economica.html http://dominiocontabilidadedf.com.br/blog1/item/12-empresas-para-voce-abrir-blindada-da-crise-economica.html Empresas para você abrir blindada da crise econômica

Empresas para você abrir blindada da crise econômica
 
De tempos em tempos a economia do país sofre com crises financeiras. Elas podem durar muitos ou poucos anos, mas, infelizmente, não há como fugir delas. Todos os empreendedores irão passar por esses momentos, querendo ou não. Mas, afinal, é arriscado demais abrir empresas em momentos de crise econômica?
 
Pois bem, primeiro é importante salientarmos que não existe somente um tipo de empresa blindada que vá livrar o empreendedor de sofrer os efeitos de uma crise econômica, ainda mais em proporções mundiais como a que estamos passando. Mas, tem como se dar bem e abrir uma empresa que vai dar certo?

Sim. Nisso os especialistas são unânimes, com crise ou sem crise, para uma empresa dar certo o que é preciso é planejamento. Mas em momentos complicados como o que estamos vivendo, o planejamento precisa ser ainda mais detalhado já que o mercado não aceita erros.
 
Basta olhar os números da economia. Com a crise, as pessoas diminuem os seus gastos e passam a investir em produtos de extrema necessidade, sempre buscando por transações que envolvam escolhas mais inteligentes, bons produtos e bons preços. Um empreendedor com tino para os negócios é capaz de perceber as oportunidades que nascem e se diferenciar da crise. Se o empreendedor realmente for bom no que faz, e se dedicou com afinco à etapa de planejamento e conhecimento do mercado, tem grandes chances de se estabelecer e ganhar as fatias do mercado, daqueles que se mantinham no negócio por sorte. Ou seja, a crise pode ser até um ponto positivo para aqueles que conseguem encontrar o equilíbrio ideal entre despesas e lucros bem como agir de forma inteligente. É como diz aquele ditado, “sempre há alguém que vende lenços, quando alguém chora”.
 
Para quem está convicto e deseja abrir uma empresa blindada contra crise econômica, aí vão algumas dicas de ouro:

 

* Tenha um alto capital de giro

Não é segredo. Em tempos de crise, se dá bem quem não precisa apelar para financiamentos e empréstimos financeiros. Os juros estão altos demais e podem comprometer seu lucro. Um negócio tem muito mais chances de se dar bem durante a crise econômica se você tiver um bom capital de giro, para abrir e manter tudo funcionando até que os lucros venham.

 

* Faça a escolha certa

Observe o mercado e perceba o que as pessoas continuam consumindo mesmo na crise. O que pode ser vendido e a que preço, para que as necessidades do cliente sejam atendidas. Aproveite as fraquezas de empreendedores que não fizeram a lição de casa e conquiste fatias de mercado que ficaram em aberto.

* Cuidado na hora de comprar

 

Esta é a chave do negócio. Comprar melhor para vender melhor. Procure os melhores forneceres que garantam preços justos e boas formas de pagamento. Em momentos como esse, o ideal é sempre procurar efetuar os pagamentos à vista, negociando descontos e fugindo dos juros altos. Isso vai fazer com que você conquiste lucros saudáveis e não somente sobreviva para pagar contas. Se você atua na área de serviços é importante diminuir os custos desnecessários e supérfluos sem perder o diferencial.

* Perseverança

 
Espere e persevere. Trabalhe duro e mais do que seus concorrentes. Os tempos de crise podem trazer vantagens incríveis para o futuro da sua empresa e fará com que o futuro seja ainda mais brilhante.

]]>
contato@contabilidadedominio.com.br (Marlus Pereira) Como Abrir uma Empresa Thu, 22 Oct 2015 00:00:00 +0000
9 Dicas Para Montar um Home Office http://dominiocontabilidadedf.com.br/blog1/item/11-9-dicas-para-montar-um-home-office.html http://dominiocontabilidadedf.com.br/blog1/item/11-9-dicas-para-montar-um-home-office.html 9 Dicas Para Montar um Home Office

A abertura do próprio empreendimento é o sonho 38,5 milhões de brasileiros, segundo o instituto Data Popular. Um dos maiores empecilhos para a concretização desse desejo é a falta de investimentos e, até mesmo, a falta de um modelo de negócios que pode ser rentável.

Segundo dados da Associação Brasileira de Franchising (ABF), o setor de franquias, ou franchising empresarial, está apresentando um crescimento de 7,5% e 9,5% somente neste ano. 

 

Se tornar um franqueado é a opção ideal para pessoas que desejam ser donas do próprio negócio, mas não sabem por onde começar, não dispõem de tempo e conhecimento suficiente para prever fatos econômicos e sociais que podem interferir no seu negócio, melhores estratégias ou posicionamento diante da concorrência.

 Muitas pessoas entram em contato comigo e me questionam como montar uma franquia?

Qual seria a franquia ideal?

Para ajudar novos empreendedores, reuni 9 passos simples de como abrir uma franquia e as vantagens de investir nesse modelo de negócio.

 

1.         Procure uma franquia com o seu perfil

 

Antes de abrir uma franquia, é essencial conhecer os produtos e serviços oferecidos pelas marca, além da sua missão e posicionamento perante à sociedade, ao meio ambiente e aos seus clientes.

 

Para conhecer verdadeiramente a marca é preciso visitar as suas sedes e franquias, buscar exemplos de outros empreendedores e listar suas próprias habilidades, que podem ser, ou não, compatíveis com determinadas empresas.

 

Para ser um franqueado não é preciso apenas padronizar e seguir os procedimentos estabelecidos pela marca, é essencial ter um perfil de liderança e ideias promissoras que possam elevar a qualidade da empresa representada.

 

Outro fator importante é avaliar o posicionamento da marca no mercado. Com uma rápida pesquisa na internet é possível conhecer as marcas que mais estão crescendo em cada setor, mesmo em período de crise. Dentre os destaques, estão as áreas de beleza, alimentação e prestação de serviços.

 

2.         Cadastramento

 

Para se tornar um franqueado, é preciso preencher uma ficha cadastral para que a empresa avalie seu perfil. Esse é o primeiro contato entre a marca e o empreendedor, por isso, costuma ser uma forma crucial de avaliação entre ambas as partes. Com a aprovação da marca, o franqueado segue para o primeiro encontro com a marca.

 

3.         Circular de Oferta de Franquia (COF)

 

Na primeira reunião o candidato recebe a Circular de Oferta de Franquia (COF), com todas as informações relevantes sobre a empresa, contatos de outros franqueados e uma minuta do contrato. Esse momento é importante para avaliar todas as minúcias do documento, analisar o valor de investimento e conversar com outros franqueados sobre as suas experiência com a marca.

 

4.         O contrato

 

Após o recebimento da COF, o franqueado terá até dez dias para decidir o que fazer, antes de assinar o contrato e pagar a taxa para a franqueadora. A taxa da franquia deve ser paga no momento de assinatura do contrato, por isso, é preciso avaliar bem as cláusulas que, geralmente, são padronizadas, mas permitem mudanças em alguns pontos como a locação, taxa de royalties, dentre outros.

 

5.         Ponto ideal para a sua franquia

 

Escolher um ponto ideal para a franquia é essencial para o processo de abertura. Avalie locais com bom fluxo de pessoas, em áreas não muito afastadas ou perigosas e se está em uma zona que permite a atividade comercial. Também não esqueça de solicitar um alvará de funcionamento na prefeitura da sua cidade.

 

6.         Locação do imóvel

 

Para evitar problemas, o franqueado deve estar atento às condições do imóvel escolhido. Fatores como estrutura, energia, água e segurança devem ser a prioridade. Caso o local precise de reformas, é possível negociar alguns descontos no valor mensal do aluguel. Se o local escolhido atender a todos os requisitos, firme um contrato de pelo menos cinco anos – período de duração da maioria dos contratos de marcas e franquias -, para evitar problemas na renovação.

 

7.         Trâmites legais

 
A abertura de uma franquia empresarial exige a passagem por alguns trâmites legais, como o registro em cartório ou junta comercial do estado, obrigações fiscais e alvará de funcionamento. Também é preciso contratar ou terceirizar uma equipe qualificada e cumprir as exigências do Ministério do Trabalho, como carga horária e remuneração dos funcionários. Uma boa forma de consultar todos os trâmites para a abertura de uma nova empresa, é através da Lei de Franquias nº 8955/94.

 

8.         Capacitação

Antes da inauguração da franquia, o franqueado e a sua equipe devem passar por um treinamento de capacitação para que possa seguir os padrões de apresentação e comportamento exigidos pela marca franqueadora.

 

9.         A inauguração

 

Após a finalização de todos os passos anteriores, que costumam levar pelo menos três meses, chega a hora de inaugurar a sua franquia. Não esqueça de divulgar a abertura, seguindo os padrões exigidos pela franqueadora. Algumas empresas se responsabilizam por toda a divulgação de sua marca, com o pagamento de uma taxa mensal. O mais importante é que, a partir do momento de inauguração da franquia, a possibilidade de fortalecer uma marca e realizar o sonho de se tornar um empreendedor, é efetivada.

 

Agora que você já sabe como abrir sua franquia contrate nossos serviços para abertura da sua empresa, temos valores especiais para quem tem o grande sonho de montar sua franquia.

Clique aqui e solicite um orçamento personalizado. 

]]>
contato@contabilidadedominio.com.br (Marlus Pereira) Como Abrir uma Empresa Wed, 23 Mar 2016 00:00:00 +0000